skip to Main Content
LEISHMANIOSE MATA, PROTEJA O SEU CÃO!

LEISHMANIOSE MATA, PROTEJA O SEU CÃO!

LEISHMANIOSE MATA, PROTEJA O SEU CÃO!

leishmaniose-caninaA leishmaniose  visceral é uma doença causada por protozoário do gênero Leishmania Chagasi, sendo transmitida pela picada do inseto.

Os insetos que transmitem a leishmaniose visceral são denominados:  inseto palha, asa-dura, birigui, cangalinha ou tatuquira. São pequenos, medindo de 1mm a 3mm de comprimento, com hábito crepuscular e noturno. De coloração clara, são facilmente reconhecidos pelo seu comportamento de voar em pequenos saltos e sempre pousar com as asas entreabertas.

As fêmeas desses insetos precisam ingerir sangue para o desenvolvimento dos ovos e, dessa forma, picam tanto o cão quanto o homem.

Uma vez infectado, o cão se torna reservatório da doença e pode ser fonte de infecção para outros animais ou mesmo para os seres humanos que vivem ao seu redor. Como a doença afeta também os seres humanos, é considerada uma zoonose.

Sintomas da doença no cão

A leishmaniose visceral canina é uma doença que causa grande sofrimento ao animal por provocar alterações inflamatórias, lesões viscerais e de pele.

Os sintomas podem demorar para se manifestar, são pouco específicos e incluem anemia, febre irregular, aumento de fígado e baço, emagrecimento e alterações dermatológicas acompanhadas ou não por crescimento exagerado das unhas.

Como os sintomas são pouco específicos e existe um grande número de animais que não apresentam sintoma algum, o diagnóstico da leishmaniose só pode ser confirmado através de exames laboratoriais.

Tratamento e controle da leishmaniose

Os medicamentos disponíveis para o tratamento da leishmaniose visceral são capazes de promover a cura clínica, mas não existe até o presente momento, nenhuma evidência científica de que promovam a eliminação completa do parasita dos hospedeiros infectados.

O tratamento dos cães com medicamentos utilizados em seres humanos, melhora clinicamente o animal, mas não cura. Portanto o animal continua a transmitir o parasita para outros insetos que o picam. Dessa forma, para controlar o avanço da leishmaniose, o Ministério da Saúde determina o sacrifício dos cães infectados.

Dentre as estratégias de controle da leishmaniose visceral recomendadas pela Fundação Nacional da Saúde, o combate ao inseto é uma opção na luta contra a doença. Daí a importância da limpeza de quintais, correto descarte de fezes de animais e resíduos orgânicos.

Outra opção é proteger os cães contra a picada dos insetos para evitar a contaminação. Podemos utilizar repelentes com longo período de ação como pipetas (que tenham indicação contra insetos/ pernilongos) ou coleiras com ação inseticida.

Entretanto, a única ferramenta realmente eficaz para a prevenção da leishmaniose visceral é a VACINA!!

Trata-se de um pacote que inclui exame- snap (teste rápido) para leishamaniose e a vacina.

São aplicadas 3 doses iniciais da vacina, em intervalos de exatamente 21 dias. Posteriormente a aplicação se torna anual. A vacina tem reduzida incidência de efeitos pós vacinais e produz resposta imunológica altamente segura.

Dê uma prova de amor à sua família: Vacine seu cão!